Minha viagem por Chefchaouen, Marrocos

Eu nem sei como começar a falar dessa cidade sem parecer clichê, ela é linda, é céu, é vida, é uma das cidades, se não a mais, linda que eu já visitei.

Eu lembro de andar nessas ruas e literalmente ir tirando foto de quase tudo, de cada esquina, viela, casa, tudo. Sempre pensando que quando eu virasse adulta eu iria querer morar numa casa como aquelas. .

Adulta, até o momento eu não virei, mas pagar conta já é uma realidade 😳, e não me entenda mal, eu amo meu trabalho, amo o que eu faço e o que me proporciona, mas as vezes eu gosto de variar, e pegar um trabalho em um hostel ou restaurantes é uma forma maravilhosa pra além de variar, conhecer um pouco melhor da cultura do lugar aonde eu estou, e essa era minha situação em Fez.

Trabalhando no hostel de lá, uma das minhas atividades favoritas era ir com os hospedes pra Chefchaoen, a cidade azul, e que eu acabei visitando uma porção de vezes, então eu vou tentar juntar essas diversas vezes como se fosse uma viagem só, desrespeitando qualquer noção de espaço, tempo e ordem, ok?!

Vou começar com o meu lugar preferido, uma mesquita no topo de uma montanha, a caminhada até a mesquita é super fácil e é no máximo uns 20 minutinhos.

Sabe que eu falei lá no primeiro parágrafo, que a cidade é um céu, então, quando você chegar nessa mesquita e sentar o seu bumbunzinho lindo no murro que tem ali e olhar pra cidade você vai entender do que eu to falando.

Se você tiver a sorte que eu tive, e puder ver a cidade num dia de céu azul, você vai sentir seu coração parar um pouquinho quando ver que a cidade converge com o céu. A cidade azul com o céu azul, fica parecendo que um é a continuação do outro na terra e no céu. Eu tenho certeza que há poesias sobre essa vista pois não é possível que algo tão bonito não tenha. Eu faria aqui, mas acho que Carlos Drummond voltava pra me estropiar caso eu fizesse, então vou deixar pros literários.

E se você, como eu, é um fanático em por do sol, você tem que ir pra esse lugar. Se bem que na verdade o por do sol fica na direção oposta à cidade e o melhor lugar pra ver é em uma das trilhas por ali.

Em uma delas, provavelmente em todas, você vai achar umas pedras legais pra você subir e assistir o por do sol, e é lindo, mesmo porque é como se tudo ali conspirasse a favor da beleza, mas atenção, em um desses desvios eu acabei por encontrar uma das minhas melhores, mas que poderia facilmente ter virado uma das piores, histórias.

Veja bem, como todo mundo sabe, menos os que não sabem, Marrocos é um país mundialmente conhecido pelo deserto do Saara, especiarias exóticas, cidades históricas e haxixe. Isso, haxixe.

E enquanto eu me aventurava por uma dessas trilhas, procurando por um bom lugar pra ver a cidade, eu meio que sem querer dei de cara com uma dessas plantações. E como boa filha que sou, virei as costas e voltei para o meu hostel repensar nas minhas escolhas de vida e meditar sobre elas. Te juro mamãe, foi exatamente isso que aconteceu.
E caso você queira mais detalhes sobre essa meditação, me chama pra uma cerva que eu te conto tudo sobre como não achar uma plantação de maconha.

Como não conhecer e virar amiga de uma família que trabalha lá.

Como não tirar o dia pra trabalhar com eles.

Como não jantar com eles numa roda de… Cade a minha cerveja?

Vamos voltar pra cidade vai! Com suas lindas ruas azuis que se fundem com o céu, numa vibe muito relax. ✌

Uma coisa que eu adoro fazer em todo lugar que eu vou é me perder. Não tem nada melhor do que ir pra algum lugar e simplesmente começar a andar a esmo, sem rumo e sem objetivo, apenas pra poder apreciar o movimento, a cultura, a conversa entre os vendedores e o dia a dia das pessoas que vivem ali.

E se perder nesse labirinto azul é como se fosse um level acima dessa experiencia maravilhosa, é se perder no céu. Mano, to muito poeta!

E gente, eu tenho um talento pra isso sabe, não que eu não tenha noção de direção, eu até tenho, mas sei lá, acontece alguma coisa no meu cérebro quando eu to passeando pelas cidades, que eu fico tão entretida com todas essas novas informações de arquitetura, pessoas, movimentos, cores, cheiros, sei lá, que eu simplesmente me perco e de repente não sei aonde eu estou.

Por exemplo, ali bem no começo da cidade, na base da montanha, tem uma das principais praças aonde você pode ir comer todas as suas refeições, e logo na frente tem uma igreja/mesquita. Um dia, enquanto esperava meu almoço eu decidi que iria dar uma volta nessa mesquita pra ver as coisas ao redor.

Gente, eu só ia dar a volta no negócio, 15 minutos depois meus amigos estavam me mandando mensagem perguntando aonde eu tava, e eu respondia pra eles perguntando aonde eu tava, porque eu também não sabia aonde eu tava!

Sei lá, as vezes me perco dentro do meu cérebro.

Mas voltando, nessa praça principal, eu tomei café da manhã quase todos os dias, em quase todas as vezes que eu estava em Chefchaoen. E num dia mais tranquilo que não tinha nada pra fazer eu decidi que queria fazer a coisa mais turista que tem por ali, pintar as mãos, fazer aquelas mandalas que é bem comum na India e em países muçulmanos sabe. Encontrar aonde fazer é super fácil, mas tão fácil que a oportunidade vem literalmente até você. Ali sentada nos restaurantes mesmo vão passar vários vendedores oferencendo, é só aceitar e ir sentar com eles num banquinho logo em frente aos restaurantes.

E lá fui eu, decidida a pedir uma bem grande, já tava com as idéias de fazer e mandar uma foto pra minha mamãe falando que tinha feito uma nova tatuagem fechando a mão e parte do braço. Pra da taquicardia na rainha mesmo sabe.

O que eu não contava é que pro desenho ficar legal, eu teria que ficar bem paradinha enquanto a moça fazia, e não só nesse momento como também depois de feito pra tintar secar.

Veja bem, tirando em alguns momentos em que eu estou viajando dentro de meu cérebro ou meditando, eu ficar parada é praticamente humanamente impossível pra minha pessoa. Eu já sai de la pra comer e jurando que tava sendo cuidadosa, mas no final eu acabei borrando o bagúiu todo que ficou permanente por uns 5 dias, todo borrado e horrendo.😵 Acredito que seja questão de carma. Este sempre vence, especialmente quando é a gente tentando fazer graça com quem nos pariu.

Toda hora que eu olhava pra minha mão parecia que tava sujo, me dava uma agonia pra lavar a mão a cada 5 minutos. E pior, eu tentei mostrar pra minha mãe mesmo assim, e a véia só deu risada da minha cara!

UMA PETULÂNCIA SEM TAMANHO!

Mas que seja, pra fechar a história eu vou deixar um conselho e uma foto de um gato.

O gato:

O conselho: Tire foto de gatos


Receba novidades por e-mail!

Contribua com o meio ambiente

  • Leve seu lixo
  • Recolha lixo se for possível
  • PRESERVE SEMPRE A NATUREZA

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *