Minha viagem por GOA, India

Após uma longa e cheia de “livramentos” viagem de trem para GOA (conheça a história aqui) eu finalmente cheguei no que eu acredito ser uma das melhores regiões da India.

Em um contraste gritante, aqui parece ser um lugar preparado para lidar com turistas, sendo relativamente seguro, enfase no relativamente, com mais liberdade e até cerveja vendida abertamente! Tem bares na beira da praia, festas nos hostels e até Raves mundialmente famosas por aqui.

Eu lembro de andar pelas ruas de GOA e ter um sentimento estranho, um coçadinha no fundo do cérebro de que aquela cidade do outro lado do mundo, em um país completamente diferente do meu em arquitetura e estrutura social, tivesse algo que me trazia uma sensação de familiaridade. E foi isso que comentei com uma amiga no telefone sentada na frente de uma vendinha aleatória que parei pra atender a ligação.

Por alguma razão GOA tinha um ar brasileiro. Não. Brasileiro não. Portugues. Tipo aquelas cidades antigas na praia sabe?!

Assim que desliguei o telefone, um senhor local que estava sentado do lado, me responde no mais claro português: “É porque GOA também foi colonizado pelos Portugueses. “

Após passar o choque de que eu estava ouvindo uma pessoa local falar português, em um país do outro lado do mundo, no último lugar da face da terra que eu esperava encontrar alguém que falasse a mesma lingua que eu, eu passei a relembrar a conversa que tive no telefone frenéticamente. Manooo, as pessoas aqui entendem o que eu falo, será que eu falei alguma merda?

Porque meu, só quem já viajou para países aonde ninguém fala sua lingua sabe a liberdade que é fazer o mais depravado dos comentários em voz alta sem ter problema nenhum. Ninguém te entende, você pode literalmente entrar em um ônibus e mandar todo mundo tomar no… banho, que ninguém vai te entender. No maximo achar que você é louca.

Mas tava eu ali, repassando a conversa na minha cabeça porque aparentemente aquela cidade a um milhão de km do Brasil se fala português. Olha Portugal fodendo nóis de novo! 😂

Bom, segunda a minha terrível memória e a simpatia do senhor, eu acredito que não tenha falado nenhuma grande besteira, e assim continuou a minha viagem por GOA, que se passou espetacularmente flutuante, fui pra ficar 3 dias, fiquei quase duas semanas. O que eu fiz? Não lembro, acho que nada além de ir pra praia, trabalhar e ver o por do sol bebendo no meu restaurante favorito de frente pra praia.

Falando em restaurante favorito, eu comi isso aqui lá e foi literalmente a coisa mais maravilhosa que eu comi na vida! Só que eu não sei o nome, alguém sabe? Me manda a receita por favooor!
Eu sei que o pão é cheese garlic naam (que é tipo pão arrabe de queijo e alho) e o outro é ?????

Assim eu passava meus dias, caminhada, trabalho à tarde, bar no final do dia, dias na praia, tudo vestida de gringa, tipo quando vc vai pra praia e ve aquelas gringas usando aqueles bikinis enormes que mais parece roupa de musculação. Comparando com a nossa moda de praia que os biquinis são menores, na praia da India os biquinis são… burcas, pequenas burcas aonde os pés estão insinuantemente a mostra! 🌝

Não to desrespeitando, jamais, se se tem uma coisa nesse mundo que eu aprendi é respeitar a cultura alheia! Mas existem algumas diferenças culturais bem grandes aqui né?! Imagine você, em um país conservador, na praia, com um biquini brasileiro, com os peitos que minha mãe me deu?
Mano! Eu acho que mato as pessoas ali! Imagina no necrotério: causa da morte: escandalo peital! hahahahaha

Não arrisquei, fui pra praia estilo gringa! ☺️
Brincadeiras a parte, é um conflito muito grande isso sabe?! Aonde que entra a nossa crença na liberdade com o respeito as culturas. A India é um país bem violento em relação as mulheres, e por mais que aqui eu só conte as histórias boas, tem várias quietas que trazem medo, tristeza e dor. Até aonde eu devo respeitar uma cultura que faz não apenas eu, mas as mulheres locais a sentirem isso?

Eu realmente não sei e acredito que não haja uma resposta correta e muito menos uma solução rápida, não existe agradar todo mundo, mas sei que essa violencia contra as mulheres não pode ser o ideal.
Repito as palavras de uma amiga local quando perguntei se mulheres estrangeiras estavam seguras na India:
Nem as mulheres locais estão.

Mas voltando as histórias.
Eu lembro foi que amei a cidade, quis ficar mais tempo. Mas a gente tem que continuar viajando né?! Ainda mais que eu recebi um lembrete do universo de forma bem agressiva mandando eu tocar a vida!

Estava eu caminhando pelas vendinhas na beira da praia, admirando as pequenas formas de artes do dia a dia, quando tudo aconteceu.

Veio do nada, inesperadamente. Eu lembro de dar um passo pra tras pra deixar alguém passar quando senti a pancada. Primeiro foi o choque, algo muito estranho tinha me atingido. Não era um tapa, não era uma bola de futebol. Era como se alguém com uma mão gigante tivesse dado um murro, isso mesmo um murro, na minha bunda.

Olhei pros lados, assustada, pra ver se achava a fonte da petulancia, nada! Não tinha ninguém!

Demorou um pouco pra eu entender que a fonte da agressividade estava ao me lado me encarando tranquilamento. Na forma de uma vaca!

Uma vendedora ria histericamente.
Eu estava chocada com a insolência daquele animal!
Que… vaca!! E agora?

A vendedora me puxou pra venda e a vaca seguiu seu caminho, e eu fiquei ali mesmo, chocada com a infamia que tinha acabado de acontecer. A vendedora disse que isso era sinal de boa sorte. Normalmente as vacas não chegam perto das pessoas assim do nada, e quando chegam é de maneira agressiva. Como aparentemente a cabeçada que ela me deu na bunda estava na categoria amigavel, isso significava boa sorte!

oook né?! Eu tenho uma teoria diferente.
Segundo a crença na India a vaca é sagrada por ser considera a reencarnação de antepassados. Acho que minha bisa descobriu que foi eu que quebrei aquele baguiu!


Receba novidades por e-mail!

Contribua com o meio ambiente

  • Leve seu lixo
  • Recolha lixo se for possível
  • PRESERVE SEMPRE A NATUREZA

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *